Primeiro mês

No domingo fez um mês que eu estou aqui na África do Sul e essas são só algumas da muitas conclusões que tive nesse tempo:

-O tempo aqui passa muito rápido (tá, eu sei que o tempo é o mesmo, mas você entendeu o que eu quis dizer né?).

-Apesar das diferenças, esse é um país legal pra caramba.

-Onde existir carne, cerveja e brasileiros haverá churrasco.

-Fora do Brasil normalmente se é muito mais brasileiro.

-Jogo mais futebol aqui do que eu jogava no Brasil.

-É dureza acompanhar o campeonato brasileiro sem assistir um joguinho sequer.

-Eu adoro feijão e sinto muita falta dele.

-Boa parte do pessoal que mora no Brasil não sabe quase nada sobre a África.

A casa

Uma das coisas interessantes é que não há tomadas nem interruptores dentro dos banheiros. E isso é norma nacional. Ou seja, se eu quiser usar meu barbeador elétrico, tenho que comprar uma extensão elétrica, ligar na tomada do meu quarto e arrastá-la pelo corredor.

Porém, as casas tem tubulação de água quente, o que é muito prático. E o sistema de aquecimento é elétrico, aliás, tudo na casa é elétrico, inclusive o fogão.

Quando eu estava procurando a casa, um dos requisitos era que a casa tivesse ducha (chuveiro não tem mesmo, porque tem água quente) pra tomar banho em pé, pois algumas casas aqui tem apenas a banheira.

E o pessoal não capricha muito no acabamento aqui, então é normal, mesmo em casas novas como a que eu aluguei, ver probleminhas na pintura, ou as lâmpadas no teto estarem desalinhadas por exemplo.

Outra coisa é que não há tanque de lavar roupa na casa. Sempre há espaço para lavadoras elétricas (que aqui normalmente tem a tampa do lado), porém se eu quiser lavar um tênis terei que usar a torneira do jardim ou a pia.

Agora uma das coisas que está me preocupando é achar alguém pra limpar a casa. Mesmo no Brasil é complicado deixar alguém entrar na sua casa enquando você não está, imagina em um lugar que você não conhece direito. Estou conversando com os brasileiros daqui se tem alguém pra me indicar…

Alugando a casa

Os brasileiros já haviam me avisado que corretores aqui da África do Sul não são muito bons de serviço, e já soube de casos de alguns até “espertinhos”. Porém eu precisava achar uma casa pra morar e comecei a procurar e pegar algumas dicas com eles.

Uma das opções foi procurar pela internet. Até existem alguns sites com fotos das casas, valores, etc, porém todos são desatualizados. Sempre que encontrava alguma casa legal pra alugar, ligava pro telefone de contato e ela já não estava mais disponível.

Então parti pro corpo a corpo, comecei a visitar as imobiliárias pessoalmente. Chegava nos lugares, dizia que estava procurando uma casa pra alugar, dizia os requisitos que eu queria e se tivesse alguma, alguém até ia me mostrar a casa. Porém se não tivesse, mal pediam meu telefone pra ligar quando achassem. Acho que deixei meu telefone em uns cinco ou seis lugares. Só um me ligou e no mesmo dia pra me oferecer uma casa que não tinha nada a ver com o que eu tinha descrito, depois disso nunca mais ligou também.

Então consegui uma lista com números de telefones de corretores. Comecei a ligar e era um esquema parecido. Quando algum tinha casa, até mostrava, mas no geral nem retornavam as ligações.

Enfim, encontrei uma casa que gostei. Eu já havia visitado a casa antes com outro corretor que havia me dito que o aluguel seria X. Esta corretora, a princípio, disse que o valor seria 0,9X. Até agora tudo perfeito, tinha gostado da casa e tinha achado um preço razoável, então disse a corretora que fecharia com ela.
Duas horas depois, ela me liga e diz que o valor da casa não é masi 0,9X, e sim 1,05X e que ela havia se enganado. Já com o histórico que haviam me dito, na hora fiquei p da vida, pensei em desistir e fechar com o outro. Mas aí disse a ela que já havia visto a mesma casa com outra pessoa que fecharia comigo por 0,95X.

No final das contas, fechamos por 0,95X. Tudo bem, até consegui mais barato que o outro corretor, mas, poxa vida, um dos motivos pra eu fechar com ela foi o preço e ela aumenta só porque eu falei que ia fechar? No mais, não tive maiores problemas, depois fiquei até pensando se ela não havia se enganado mesmo, porque todos os outros detalhes ela resolveu conforme combinado e até que rápido.

Como eu comentei com um amigo, se eu tivesse deixado meu telefone com tantos corretores no Brasil, meu telefone iria tocar por uns três meses…

Pessoas

Pelo que eu percebi (e li em alguns lugares) existem diversas etinias espalhadas aqui pela África do Sul, porém elas normalmente não se misturam. Por exemplo, passeando em um shopping eu pude notar que os negros só se falam entre si, assim como os brancos e os indianos. Não vi nenhum grupo misturado.

Como o assunto do apartheid é bem delicado por aqui, vou esperar conhecer melhor alguém daqui pra depois perguntar como é que foi e como está sendo. Pelo que conversei com os brasileiros, ainda existe uma distinção que as próprias pessoas se impõe, principalmente as mais velhas.

E mesmo entre os negros, por exemplo, se forem de outra etinia, eles não costumam se misturar.

E não se engane pensando que só existem negros por aqui, pois existem muitas loiras branquelas de olho azul… E eu vi muitos indianos também.

E a mistura de idiomas é bem engraçada também. Eu, como sou loiro de olho azul, em todo lugar que eu chego as pessoas já vão falando Afrikaans – um idioma local, descendente do holandês – comigo, mas basta dizer um “Sorry!” que elas já automaticamente chaveiam pro inglês, tudo isso enquanto viram pro lado e falam em outro idioma (Zulu, Sotho, ou outro dos 11 idiomas oficiais) com um colega de trabalho. Muito louco.

Aliás o atendimento e os serviços aqui são outro ponto a ressaltar, mas só no próximo post…